POLÍTICAS DE EDUCAÇÃO, HEGEMONIA E TERRITÓRIOS PACIFICADOS: ESTRATÉGIAS CONTEMPORÂNEAS PARA A GESTÃO DA GOVERNABILIDADE

Download: http://www.fe.ufrj.br/tbrunogawryszewski.pdf


BRUNO GAWRYSZEWSKI

ORIENTADOR: PROF. DR. ROBERTO LEHER

Tese de Doutorado apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Educação, Faculdade de Educação da UFRJ, 2013

A tese analisa a implementação do programa da rede municipal de ensino “Escolas do Amanhã” em favelas do Rio de Janeiro que estão ocupadas pelas Unidades de Polícia Pacificadora. O objetivo é examinar como a educação pública tem sido operada em territórios ocupados pela polícia, na medida em que o Estado lança mão de uma estratégia de dominação territorial que preconiza valores democráticos e propõe medidas persuasivas e, simultaneamente, exerce um rígido controle social armado na rotina da favela. Dessa forma, o trabalho buscou compreender os possíveis nexos entre educação, segurança e governabilidade por meio de um “equilíbrio” entre coerção e consenso, a fim de construir a hegemonia, conforme formulado por Antonio Gramsci. Foi realizada pesquisa de campo que consistiu na observação sobre como os fóruns comunitários nas favelas ocupadas se estruturavam para ser o elo entre o Estado e os moradores; entrevistas com interlocutores privilegiados desse processo, como comandantes das UPPs, presidentes de associação de moradores e gestores públicos; e trabalho analítico nas “Escolas do Amanhã” de seis favelas, em que foram efetivadas entrevistas sobre a rotina escolar com as diretoras, os educadores comunitários e os oficineiros e exame sobre a organização da instituição escolar, de modo a correlacionar o programa de educação ao projeto de segurança/cidade orquestrado pelo Estado. A pesquisa concluiu que, ainda que a escola pública que é efetivada para a classe trabalhadora residente em favela esteja estruturada em meio a uma série de truques para efetivar a organização espaço-temporal, na falta de planejamento e coesão das atividades pedagógicas e em projetos que desqualificam a figura do docente, o programa “Escolas do Amanhã” ocupa um lugar estratégico na política de pacificação: a ocupação policial da favela permitiu o estabelecimento de uma previsibilidade para o exercício das atividades escolares, incorpora outros sujeitos como educadores, além dos professores, estabeleceu novas dinâmicas para o espaço-tempo escolar, condições que, reunidas, possibilitam o estabelecimento de práticas socializadoras que educam e socializam a futura força de trabalho em consonância à ordem social capitalista.

Palavras-chave: políticas públicas, Escolas do Amanhã, hegemonia, governabilidade, coerção e consenso.