EDUCAÇÃO NA ROTA DO DESENVOLVIMENTO: investimento social privado em educação nos arranjos de desenvolvimento da educação


GT DO COLEMARX: Empresariamento da Educação Pública

COORDENAÇÃO:
Vania Cardoso da Motta – vaniacmotta@gmail.com

RESUMO:
Visa examinar a materialidade da política de desenvolvimento da educação básica brasileira em curso, investigando o “investimento social privado em educação” por parte dos empresários consorciados nos “arranjos de desenvolvimento da educação” (ADEs). A hipótese relaciona os últimos encaminhamentos das políticas públicas de educação com o movimento mais amplo do capital que retoma a velha premissa da “vantagem comparativa” – dotações relativas de cada país em termos de capital, força de trabalho e recursos naturais -, acrescida do capital social, sob o paradigma do desenvolvimento sustentável; sua natureza contraditória e sua expressão na formação social brasileira do tipo “capitalismo dependente”, na perspectiva novo-desenvolvimentista que pauta uma relação “equilibrada” entre as esferas público-privadas, econômico-social e nacional-internacional. Demanda buscar as mediações, implicações e contradições nas interfaces entre o público e o privado no campo das políticas públicas educacionais, em seu conteúdo e forma e no papel do Estado nas perspectivas de Gramsci e Poulantzas. A base da empiria da pesquisa será: documentos, relatórios e estudos relativos aos investimentos sociais privados em educação (GIFE, BNDES, IPEA, PNUD e PNAD); relatórios específicos de organismos internacionais (BIRD, PNUD e CEPAL); levantamento do perfil histórico, social, econômico e educacional dos municípios que compõem os ADEs em andamento; levantamento dos recursos financeiros e técnicos investidos por parte da(s) empresa(s) consorciada(s), bem como da contrapartida dos municípios e da forma de colaboração entre os demais entes federados. Na pesquisa de campo buscaremos identificar a relação desenvolvimento, trabalho-educação e questão social em, pelo menos, dois ADEs com investidores sociais empresariais. A expectativa é de que a pesquisa possa contribuir com o debate sobre as políticas estratégicas para o ensino fundamental de modo articulado com a problemática do desenvolvimento no Século XXI, tema que tem sido objeto de escassos estudos sistemáticos no campo da educação brasileira.

PREVISÃO DE CONCLUSÃO: [2014] DEZ/2017