EDUCAÇÃO BRASILEIRA, QUESTÃO SOCIAL E DESENVOLVIMENTO: implicações de encaminhamentos de políticas públicas compensatórias na educação básica, pela via das parceiras público-privadas com empresários


GT DO COLEMARX: Empresariamento da Educação

COORDENAÇÃO:
Vania Cardoso da Motta – vaniacmotta@gmail.com

RESUMO:
O presente projeto origina-se e busca ampliar um conjunto de trabalhos de pesquisa e estudos que articula a historicidade da educação brasileira, especificamente a educação básica em seu primeiro segmento, com as formas históricas de enfrentamento da “questão social” e de desenvolvimento econômico e social. Relaciona a natureza da estrutura e das relações de classe da sociedade brasileira em sua especificidade de capitalismo dependente, fazendo interlocução com intelectuais clássicos e contemporâneos do pensamento crítico social brasileiro que teorizaram o nacional-desenvolvimentismo dos anos 1950-70, com a atual versão novo-desenvolvimentista em curso no Brasil, a partir do segundo mandato do governo Lula, e com o conjunto de políticas elaborado pelos países membros da ONU, em 2000, Objetivos do Milênio, principalmente no tocante ao retorno da ideia de desenvolvimento econômico com igualdade de oportunidades e equidade social; à inserção da noção de capital social em nova roupagem articulada à noção de capital humano; à inclusão forçada das camadas de trabalhadores jovens e mais pobres da população nas bases da cultura do empreendedorismo individual e coletivo; ao novo arranjo normativo das parcerias público-privadas (Lei nº 11.079/2004), considerando a disputa pela hegemonia atualmente em curso pelo Movimento Todos pela Educação e pelos Fóruns em Defesa da Escola Pública. No âmbito desta pesquisa, buscar-se-á realizar uma análise de conjuntura, centrando-se nos encaminhamentos de políticas públicas educacionais brasileiras de caráter compensatório, focados nos alunos que apresentam distorção idade-série escolar, pela via de projetos pedagógicos em parcerias público-privadas com o terceiro-setor empresarial, incorporando ou não a educação profissional.

 Financiador: UFRJ/PIBIC

PREVISÃO DE CONCLUSÃO: [2013]DEZ/2016