Da Base Nacional Comum Curricular à implementação da BNCC do empresariado, o movimento reformista da educação básica brasileira contemporânea

GT DO COLEMARX: Trabalho e Formação de Professores

AUTORIA: Cláudia Lino Piccinini

RESUMO: Considerando que a formulação da BNCC segue seus trâmites para o ensino médio e para a etapa de implementação em estados e municípios brasileiros, cuja ação se iniciou desde metade de 2017, a esta etapa do desenvolvimento investigativo caberá analisar o desenrolar do processo, considerando:

(i) a atual etapa de finalização da 4ª versão da BNCC para o ensino médio, entregue ao CNE no dia 3 de abril;

(ii) a atualização dos atores que participam dessa política – do MPB, do CNE e do próprio MEC, esses com mudanças de quadro em função do processo eleitoral, e dos membros do Comitê e da Comissão Estadual de Construção dos Currículos (Rio de Janeiro);

(iii) o monitoramento das ações de implementação (etapa 2018-2019);

(iv) de implantação (etapa 2019-2020) no estado do Rio de Janeiro e seus principais municípios (à selecionar de acordo com os municípios que ingressarem nas Comissões Estaduais);

(v) com destaque a análise do papel do Comitê Nacional e das Comissões Estaduais de Construção dos Currículos, que serão responsáveis pelos arranjos curriculares regionais, assim como a inserção de parceiros do terceiro setor (Consultores Regionais e Analistas de Gestão e Colaboração);

e (vi) culminando com a análise dos documentos da Plataforma de Construção de Currículos. Acompanhar, registrar, confrontar e
sistematizar as principais articulações e as principais mudanças encontradas no processo de implementação serão os desafios dessa pesquisa. Na busca por compreender os efeitos imediatos da reforma e se terão efeito os propósitos do movimento que nela atua, o MPB.